Publicado por: Battista Soarez | abril 26, 2016

O FENÔMENO DA IMPOSTURA

O fenômeno da impostura

Battista Soarez

Os ImpostoresUltimamente minha vida, aos 48 anos de idade, anda passando por mudanças que, por vezes, me levam a ficar assustado perante o espelho da existência. Não que eu tenha medo de encarar a realidade das crises que este mundo tenebroso apresenta. Não que eu sinta qualquer sentimento de covardia perante as lutas que eu tenha de enfrentar em razão de dificuldades a serem superadas para que eu obtenha a justa garantia da conquista. O que me assusta é a incapacidade de compreensão das pessoas que me cercam no que concerne ao meu favor por elas. O que eu temo é o fato de que o que essas pessoas podem obter de mim, o meu melhor por elas, seja barrado por causa da má interpretação da vaidade tola de seus corações injustos. Escolhas efêmeras nos afastam do ideal no âmbito das relações e são empecilhos às nossas verdadeiras conquistas.

Na fase da juventude normalmente nós, humanos, buscamos coisas que exaltam a vaidade e alimentam um tipo de contentamento que ousa enfrentar os desafios da vida com um tino de superioridade que nos enche de egoísmo e autocontemplação. Quando jovens, não temos medo de nada. Queremos remodelar o mundo ao nosso próprio modo e bel prazer. Sensações de fugacidade não nos são mais motivo de alerta mas, sim, preenchimento do orgulho que nos impulsiona para uma caminhada cada vez mais transitória. Nessa fase da vida, o orgulho jovem não permite vermos nossos próprios limites. Não nos permite entender que a vida é cheia de labirintos que exigem de nós cuidados e atitudes que estejam sempre coerentes com o sentimento de conquista que de fato precisamos para vencer os percalços de um mundo cada vez mais em evolução.

Quando ficamos adultos, tudo o que queremos é o bem da família, dos amigos e das pessoas por quem nutrimos respeito e admiração. Pensamos numa vida financeira confortável que nos dê estabilidade e segurança para os nossos filhos e netos, e procuramos contribuir da melhor maneira possível com o futuro deles. Mas nem sempre recebemos festejos ou aplausos de gratidão. É nessa fase que entendemos ser importante respeitar a vida e os seus limites comuns e sociais. Normalmente nos tornamos conselheiros dos mais jovens exatamente naquelas coisas moral e eticamente incorretas que fazíamos quando tínhamos a mesma idade deles.

Na velhice, enfim, cheios de experiências acumuladas e buscando amenizar as intempéries da senilidade, pensamos numa vida espiritual mais efetiva e num preparo ético mais próximo de Deus para enfrentarmos a vida após a passagem para a eternidade. O dinheiro e a fama já não nos são tão prioridades como antes. Agora nos contentamos com o dinheiro da aposentadoria que nos dá o básico para uma sobrevivência cansada e cada vez mais definhante. É quando aprendemos a valorizar as coisas de maneira mais acentuada, até mesmo o fenômeno das tragédias pessoais que nos são inevitáveis durante o percurso da existência. Então, pedimos perdão às pessoas com quem tivemos diferenças, nos arrependemos de pecados comedidos quando gozávamos do vigor da juventude, pedimos socorro a Deus pelas fragilidades e egoísmos tolos que nos levaram a ferir a outrem e a cometer certos desatinos. E, enfim, nos acovardamos perante o fim da existência porque não sabemos, ao certo, o que nos aguarda do outro lado da vida, após a morte.

O escritor Oscar Wilde disse, certa vez, que: “Neste mundo só há duas tragédias. Uma é não se conseguir o que se quer. A outra é conseguir”. Isto quer dizer que por mais que a gente se esforce para obter o sucesso este não nos trará tanta satisfação o quanto imaginamos. Numa certa altura da vida é que vamos descobrir que o sucesso não era bem o que queríamos. Queríamos algo mais próximo da felicidade e cada vez mais longe das coisas fugazes. De fato, queríamos algo que nos desse mais segurança e comodidade.

Há alguns anos, em 1996, li o livro “Quando tudo não é o bastante”, do rabino Harold Kushner. Foi um presente que ganhei da minha namorada na época e um dos melhores livros que já li na minha vida. Nele Kushner afirma: “As pessoas que têm dinheiro e poder sabem de uma coisa que você e eu não sabemos. E, se nos dissessem, talvez não acreditássemos. O dinheiro e o poder não satisfazem aquela fome sem nome que temos na alma. Até mesmo os ricos e poderosos se descobrem desejando ardentemente alguma outra coisa”. De fato, Kushner tem razão. Lemos a respeito de problemas familiares de pessoas ricas e famosas. Vemos nas telas de cinema e televisão seus conflitos em forma de ficção. E a verdade é que nunca entendemos suas mensagens. Às vezes pensamos que, se tivéssemos a vida que esses personagens da mídia têm, seríamos felizes. Mas a verdade é que não importa o esforço que fazemos para sermos amados, populares e reconhecidos. Se o sentimento de nossa identidade depende da opinião dos outros, então estaremos sempre sujeitos a outras pessoas e dependentes delas. Se isso acontece, se somos sempre dependentes dos outros e nunca construímos a nossa própria independência, a qualquer momento teremos nosso tapete puxado por eles.

Buscar independência e autonomia pessoais é o mesmo que trabalhar criativamente a partir dos nossos sonhos. Mas é fato que devemos compreender que, muitas vezes, gente aparentemente bem sucedida obteve sucesso imerecido. Mais adiante pessoas assim, mesmo com sentimento de serem bem sucedidas, demonstram serem ocas. Jamais podem desfrutar suas realizações em quaisquer circunstâncias. Aí sempre precisam de uma autoafirmação após a outra. Vivem precisando de afirmações de outrem. Ocorre que nem sempre as afirmações alheias a nosso respeito são positivas a nosso favor. Nem sempre são construtivas. E quando somos atingidos com afirmações não construtivas, mas destrutivas, definhamos existencialmente, ao mesmo tempo em que os nossos sonhos se esvaem.

Esse fenômeno é conhecido como o “fenômeno da impostura”. É quando há um embustecimento de nossas latitudes quanto à liberdade de ação. Um tipo de fingimento lastimoso. De vaidade tola e presunção extrema. A maioria das pessoas ricas se lança nesse fenômeno quando se vestem de uma falsa superioridade. Sua intrujice sempre permite que elas se infiltrem entre os outros para deles tirarem proveito. Você já viu aquelas pessoas que quando você tem algo importante ou dinheiro elas facilmente se aproximam de você, mas quando você está desprovido de bens e dinheiro elas se afastam? Trata-se do fenômeno da impostura, o qual é carregado de hipocrisia e fingimento. Este fenômeno acontece na política, nas grandes empresas, em grupos sociais, em famílias ricas e nas instituições em geral, inclusive na religião.

Alguém já disse que isso ocorre quando estamos enfronhados numa fome de alma que não tem nome. Quando somos afetados por uma atitude estranha de fazer “os outros” de inferno. Mas o inferno não são os outros. O inferno é dedicar esforço para obter fama, dinheiro, poder e sucesso corroendo relacionamentos com os outros. Inferno é enxergar os outros apenas à medida do que eles podem fazer por nós.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: